sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Cajati (SP) instala Comitê de Mobilização Social pela Educação

Comitê foi formado durante Oficina de Formação de Mobilizadores
realizado em Cajati em junho
Por iniciativa do Instituto Camargo Corrêa e da InterCement – empresa do grupo, em parceria com o Departamento Municipal de Educação, o município paulista de Cajati recebeu, nos dias 27 e 28 de junho, Oficina de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação. Realizada com o objetivo de proporcionar espaço para discussão de ações para a melhoria da qualidade da educação no município, a formação teve como resultado a criação de Comitê para atuar junto às famílias e educadores cajatienses. 

Entre os participantes da Oficina que passaram a integrar o Comitê, estão funcionários da InterCement, gestores escolares, representantes do Departamento de Educação, do Centro de Referência de Assistência Social, da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) Paulo Freire, bem como membros do Conselho Tutelar e do Conselho Municipal de Educação. 

Divididos em grupos, mobilizadores estudaram a cartilha
Acompanhem a vida escolar dos seus filhos
Durante a Formação, os integrantes do Comitê e demais presentes receberam informações sobre os avanços e desafios da Educação brasileira, bem como sugestões de atividades com o intuito de aproximar família, escola e comunidade. Conheceram, também, as metas e estratégias do Plano de Mobilização Social pela Educação (PMSE) e exemplos de sua implementação em diversas localidades.

As exposições do evento de capacitação foram conduzidas pela representante do PMSE no Ministério da Educação, Doris Cardoso Prudente Bertolino, que destacou a importância de se buscarem ainda mais parceiros para fortalecer a atuação do grupo de mobilizadores. “No decorrer da oficina orientamos a busca da parceria de outros segmentos da sociedade, como os diversos grupos religiosos, juízes, promotores da Infância, comerciantes, lideranças comunitárias, entre outros”, apontou Doris. 

Membros do Comitê de Mobilização de Cajati
Para a representante do MEC, o apoio do Instituto Camargo Corrêa e da InterCement ao Comitê é muito importante para fortalecer as ações de mobilização no município. “A experiência de Cajati nos ensina que quando existem interesse e comprometimento das empresas que se instalam nos municípios através de seus institutos e movimentos de voluntariado promovidos entre seus funcionários, é possível alavancar ainda mais o a mobilização social pela educação, pois esses voluntários têm a credibilidade da comunidade”, refletiu.

Confira abaixo a composição do Comitê de Mobilização Social pela Educação de Cajati (SP):

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Planos de Educação: estados e municípios trabalham para elaborar metas

Maranhão e Mato Grosso são as primeiras unidades federativas a aprovar os planos estaduais de educação (PEE), conforme determina a Lei nº 13.005, de 25 de junho último, que criou o Plano Nacional de Educação (PNE) para o período de 2014 a 2024. O prazo para os estados, o Distrito Federal e os 5.570 municípios é de 12 meses — até julho de 2015. Para auxiliar na elaboração dos planos, o Ministério da Educação lançou em agosto o Portal do PNE.

A Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino (Sase) do MEC, responsável pelo portal, registrou 141 mil acessos até esta quinta-feira, 11. O Distrito Federal, os estados de São Paulo e Rio de Janeiro e a cidade de Belo Horizonte destacam-se quanto ao número de acessos. Na avaliação do titular da Sase, Binho Marques, a busca por informações mostra o interesse das secretarias de educação em criar uma agenda de elaboração dos planos. A tarefa de unidades federativas e prefeituras é, agora, promover um debate sobre a realidade local, fazer um diagnóstico e definir metas, prazos e recursos. “É importante ter senso de realidade e um pouco de sonho”, recomenda Marques.

Além do portal, os sistemas de ensino contam com uma rede de assistência técnica composta por 217 avaliadores nas cinco regiões do país. Entre as funções dos técnicos estão a organização de encontros e a capacitação de gestores e servidores estaduais e municipais para multiplicar a preparação dos planos. A expectativa da Sase é chegar a 300 avaliadores até o fim do ano, o que daria um profissional para cada grupo de 25 municípios.

Em todas as regiões do país, 3.815 prefeituras estão construindo os planos municipais de educação (PME) com a assessoria técnica. Em 415 municípios da região Norte atuam 30 avaliadores. São 83 em 1.397 cidades do Nordeste; 21 em 321 do Centro-Oeste; 62 em 1.165 do Sudeste e 21 em 517 do Sul. Na Bahia, por exemplo, seis municípios na faixa de sete mil a 45 mil habitantes concluíram os planos: Livramento de Nossa Senhora, de 45,2 mil habitantes, Barra da Estiva (20,7 mil), Ituaçu (18,1 mil), Brejões (14,2 mil), Elísio Medrado (7,9 mil) e Maetinga (7 mil). Neles, as câmaras de vereadores já aprovaram as leis correspondentes.

De acordo com a Sase, diversas cidades das cinco regiões têm planos prontos.

Parceria — O PNE, segundo Marques, é resultado do esforço de todos os brasileiros. “É um plano da nação, das três esferas de governo — União, estados e municípios”, diz. A parceria para a execução do PNE, construção e aprovação dos planos estaduais e municipais reúne o Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed), a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), o Conselho Nacional de Educação (CNE), o Fórum dos Conselhos Estaduais de Educação, a União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação (Uncme).

Mais informações sobre a elaboração dos planos estaduais e municipais no Portal do PNE na internet.


Por Ionice Lorenzoni - Portal do MEC

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Familiares de alunos são mobilizados pela melhoria da educação em Anápolis (GO)

Familiares de alunos participaram da palestra sobre a
importância da interação família-escola-comunidade
Integrantes do Comitê de Mobilização Social pela Educação de Anápolis (GO) foram convidados pela Secretaria Municipal de Educação para levar a mensagem da cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos a mais uma unidade de ensino da cidade goiana. Por iniciativa da tutora Adriana Seabra Almeida, o Colégio Estadual Professor Salvador Santos recebeu, no dia 10 de junho, palestra sobre a importância do envolvimento das famílias na trajetória educacional, promovida em parceria com a Capelania Brasileira

A apresentação sobre os benefícios da interação família-escola foi conduzida pela mobilizadora e missionária capelã Elisabete Pereira. Entre os tópicos abordados na palestra, a voluntária ressaltou os direitos e deveres das famílias na educação dos seus filhos. “A escola pode ser apenas um recinto que agrega a tribo estudantil. Ou pode ser o palco da promoção da educação, formando para o futuro. Cabe às famílias educarem seus filhos antes de irem para a escola, porque a escola ensina, mas quem educa são os pais”, refletiu a mobilizadora.

Participantes receberam exemplares da cartilha
Acompanhem a vida escolar dos seus filhos
Além de familiares de alunos, a atividade contou com a presença dos gestores escolares José Cassimiro Dias Neto e Adélia Alves Batista, bem como de professores do Colégio Professor Salvador Santos. A ação recebeu o apoio, ainda, das coordenadoras Márcia Martins Silva e Yara Benedita Montalvão.

Como resultado da ação, já foram programadas outras atividades com o intuito de incentivar a integração entre pais, alunos e educadores. “Em consequência da boa resposta dada pelas famílias, também já foram agendados outros encontros para alcançarem os jovens estudantes daquela escola, assim como foi assumido o compromisso de elaborem ações que construam laços de amizade entre a escola e as famílias”, informou Elisabete.

Com informações de Elisabete Pereira, mobilizadora social pela Educação em Anápolis (GO).

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Interação família-escola-comunidade é incentivada em Florianópolis (SC)

Oficina reforçou as ações de incentivo à interação
família-escola na capital catarinense
“Que ações desenvolvemos? Quem são os nossos parceiros? Quais são os conteúdos de aproximação? Que resultados alcançamos?”. A partir desses questionamentos, os participantes da Oficina de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação realizada em Florianópolis (SC) planejaram atividades com o intuito de mobilizar famílias, educadores e comunidade em prol da melhoria da Educação. A formação, promovida nos dias 4 e 5 de junho, contou com exposições conduzidas pelo representante do Plano de Mobilização Social pela Educação do Ministério da Educação (PMSE/MEC), Paulo Ronaldo dos Santos.

Atividade contou com a presença de representantes de
diversos setores sociais
Organizada por iniciativa da Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis, por meio do gerente de Articulação Educacional, Pedro Rodrigues da Silva, a Oficina reuniu gestores escolares, professores, membros do Conselho Tutelar e do Conselho Municipal de Educação, bem como representantes da Secretaria de Assistência Social, de organizações não governamentais, da Associação de Pais e Mestres e de igrejas evangélicas.

Durante o evento , os participantes conheceram
as metas e estratégias do PMSE
Durante a capacitação, os mobilizadores receberam informações sobre os desafios e avanços da educação no Brasil e na capital catarinense. Conheceram também as estratégias e metas do Plano de Mobilização Social pela Educação, os fundamentos da interação família-escola-comunidade e exemplos de boas práticas de mobilização das famílias e educadores desenvolvidas por voluntários de diversas localidades.

Com base nos dados fornecidos durante a formação, os participantes foram orientados a elaborar Plano de Ação a ser implementado em Florianópolis. Para tanto, o representante do PMSE/MEC destacou pontos importantes a serem contemplados no planejamento, como atividades priorizadas, público mobilizado, atores chaves para mobilização, estratégia de comunicação e interação, recursos externos necessários, metas e avaliação. 

Mobilizadores confeccionaram camisetas
para divulgar a Mobilização Social pela Educação
Presente na Oficina, a presidente do Instituto Guga Kuerten, Alice Thummel Kuerten, ressaltou a importância da parceria com as escolas. “Nos colocamos à disposição das escolas públicas de Florianópolis. O MEC está de parabéns pela iniciativa da Mobilização Social pela Educação”, afirmou.

Para a secretária adjunta de Educação de Florianópolis, Maria Lucena, a interação entre família e escola traz benefícios para a educação. “Precisamos acreditar na escola pública, torná-la mais dinâmica. Outro mundo é possível, através da educação. A escola deve ser parceira da família e vice e versa”, apontou.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Ideb indica melhora no ensino fundamental e metas para os anos iniciais são superadas

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2013 mostra que o país ultrapassou as metas previstas para os anos iniciais (primeiro ao quinto ano) do ensino fundamental em 0,3 ponto. O Ideb nacional nessa etapa ficou em 5,2, enquanto em 2011 havia sido de 5,0.

Os dados foram apresentados nesta sexta-feira, 5, pelo ministro da Educação, Henrique Paim, e pelo presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Chico Soares, em entrevista coletiva que contou com a participação da presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), Maria Nilene Badeca da Costa, e da presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Cleuza Repulho.

Os anos iniciais do ensino fundamental são oferecidos prioritariamente pelas redes municipais, que respondem por 81,6% das matrículas da rede pública nessa etapa. O total de estudantes nos primeiros anos do fundamental é de 15.764.926, sendo 13.188.037 de escolas públicas. As metas da rede municipal de ensino foram alcançadas por 69,7% dos municípios brasileiros.

A rede estadual, que atende 18% das matrículas públicas nessa fase, também superou as metas. Em 75,7% dos municípios, as escolas estaduais ultrapassaram a nota 5,0 prevista para 2013. Ao todo, nessa etapa, 5.293 municípios tiveram Ideb calculado para a rede pública. Na rede federal, o Ideb nos anos iniciais aumentou de 6,8 em 2011 para 7,0 em 2013.

O ministro da Educação destacou que os resultados obtidos nos anos iniciais são importantes, pois demonstram o esforço que tem sido empreendido pela melhora da qualidade do ensino. “A expectativa era de que a partir da evolução nos anos iniciais, a onda de melhoria chegasse aos anos finais e ao ensino médio, porém o impacto foi reduzido”, observou. Conforme Paim, a evolução esbarra em questões estruturais, pois a gestão do ensino médio é mais complexa, envolvendo, em geral, escolas maiores, com mais professores e mais disciplinas.

Além disso, foram criadas recentemente no ensino médio as condições básicas, como oferta de transporte e merenda escolar, de livros didáticos e aumento dos investimentos nas escolas. “Precisamos avançar na questão da formação de professores e na questão do currículo, com a construção de uma base nacional comum”, afirmou o ministro.

Estas questões integram as metas do Plano Nacional de Educação (PNE), que serão trabalhadas em conjunto com as gestões estaduais e municipais pra melhoria dos anos finais do ensino fundamental e do ensino médio. O ministro lembrou ainda que está sendo ampliada a integração do ensino médio com a educação profissional, por meio do Pronatec.

Progressão – Em 2005, quando o Ideb foi calculado pela primeira vez, 57,5% (7,1 milhões) das crianças nos anos iniciais do ensino fundamental estavam matriculadas em escolas municipais de redes de ensino com avaliação abaixo de 3,7 — média nacional de então. Com a evolução do indicador nos últimos anos, o percentual caiu para 16,2% (1,7 milhão) em 2013.

Com relação aos índices de avaliação mais elevados, ainda nos anos iniciais, o registro em 2005 era de 2,9% das crianças (cerca de 357 mil matrículas) matriculadas em escolas municipais com Ideb acima da nota 5,0. Em 2013, o percentual saltou para 45% – 4,8 milhões de estudantes – na mesma situação.

Anos finais – Nos anos finais (sexto ao nono ano) do ensino fundamental, o Ideb nacional cresceu de 4,1 em 2011 para 4,2 em 2013. Do total de 5.369 municípios com índice da rede pública calculado nessa etapa, 39,6% atingiram as metas previstas para 2013 na rede pública, que atende a 86,5% dos matriculados nessa etapa (um total de 13.304.355 estudantes). Na rede federal, o Ideb se manteve em 6,3.

Em 2005, somente 2,4% dos estudantes da rede pública (329 mil alunos) concentravam-se em faixas de Ideb acima de 4,5. Em 2013, este total aumentou para 22,2%, abrangendo 2,5 milhões de estudantes. Redes com Ideb inferior a 3,4 atendiam a 7,5 milhões de estudantes (56,2%) em 2005. Agora, englobam 26,1% dos alunos (2,9 milhões de matrículas).

Os dados mostram que a dificuldade para atingir as metas acontece também na rede privada, que alcançou nota 5,9. A meta prevista era de 6,5.

Médio – O Ideb do ensino médio se manteve em 3,7. A rede estadual – responsável por 97% das matrículas da rede pública – registrou o mesmo índice de 2011 (3,4), assim como a rede federal (5,6). A rede privada apresentou queda, passando de 5,7 para 5,4.

O Ideb é obtido pelas notas do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e pela taxa média de aprovação percentual.

Veja a apresentação com os dados sobre o Ideb

Fonte: Portal do MEC, com informações do Inep

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Comitê de Nova Olinda (PB) mobiliza famílias, educadores e comunidade pela melhoria da educação

Participantes de atividade promovida pelo Comitê de
Nova Olinda na EM Genésio Pinto Ramalho
Professores, membros de conselhos escolares e do Conselho Tutelar, representantes da Secretaria Municipal de Educação, gestores escolares, assistentes sociais, bem como lideranças sociais e religiosas, estão entre os integrantes do Comitê de Mobilização Social pela Educação que atua em Nova Olinda, na Paraíba. Criado durante a Oficina de Formação de Mobilizadores realizada na cidade em novembro do ano anterior, o grupo elaborou Plano de Ação com metas e estratégias e cronograma de atividades que vêm norteando o trabalho dos mobilizadores.

Entre as ações previstas no cronograma do Comitê, durante o mês de setembro, os mobilizadores de Nova Olinda pretendem desenvolver projetos para estimular a participação das famílias nas escolas em parceria com os coordenadores da rede municipal de ensino. Além das atividades nas unidades de ensino, o Plano de Ação prevê ações junto a representantes de diversos segmentos sociais do município paraibano.

Membros do Comitê de Mobilização de Nova Olinda
“Estamos trabalhando e sempre buscando parcerias para que de fato todas as ações se realizem com sucesso e alcancem o objetivo de sensibilizar as famílias a respeito da importância da participação dos pais na vida escolar dos filhos”, afirmou a integrante do Comitê, Maria Aparecida Virgino de Souza.



Palestra com promotor de Justiça

Comunidade compareceu em peso a palestra sobre
interação família-escola conduzida
por promotor de Justiça
Exemplo do empenho dos mobilizadores em envolver setores sociais diversos nas ações pôde ser verificado no dia 21 de maio, quando o Comitê de Nova Olinda promoveu, no auditório da Escola Municipal Genésio Pinto Ramalho, atividade sobre a importância da interação família-escola para a melhoria da qualidade da educação. A ação contou com palestra sobre os direitos e deveres das famílias conduzida pelo promotor de Justiça da Comarca, Uirassu de Melo Medeiros, e recebeu o apoio da prefeita Maria do Carmo Silva e de secretários de diversas pastas.

Participaram do evento pais e alunos das escolas das redes municipal e estadual, professores, representantes do Ministério Público, do Conselho Tutelar e do Poder Legislativo, diretores de escolas, entre outros. “Todo o município parou nesse dia para participar da palestra, foi muito boa”, relatou a mobilizadora Maria Aparecida Virgino.

Reuniões do Comitê

Integrantes do Comitê debateram formas de combater
a evasão escolar em reunião no dia 15 de maio
Para colocar em prática as estratégias listadas no Plano de Ação, os mobilizadores reúnem-se periodicamente para planejamento de atividades. Nos encontros, além de organizar as ações a serem realizadas, os integrantes do Comitê discutem como enfrentar problemas observados nas unidades de ensino, como a evasão escolar, que foi tema da reunião realizada no dia 15 de maio.

“Fizemos o levantamento da taxa de matrícula e de evasão nas escolas e programamos visitas de resgate para alunos que evadiram”, informou Maria Aparecida Virgino.

Divulgação da Mobilização Social pela Educação na comunidade

Mobilizadores confeccionaram banners, camisetas e
outros materiais para divulgação do PMSE
Divulgar o Plano de Mobilização Social pela Educação (PMSE) à sociedade e, assim, incentivar de maneira efetiva a interação entre família, escola e comunidade é uma das principais metas do Comitê de Nova Olinda. Para tanto, o grupo tem buscado confeccionar materiais como cartazes, camisetas, banners e folders, além de disseminar a mensagem da cartilha Acompanhem a vida escolar dos seus filhos em eventos envolvendo diversos setores sociais, como a passeata realizada no dia 11 de abril. 

Passeata contou com participação de representantes
de diversos segmentos sociais
Entre os participantes, a passeata reuniu gestores escolares das redes municipal e estadual, professores, equipe pedagógica, lideranças religiosas, representação de pais de alunos, membros dos conselhos Tutelar, da Alimentação Escolar (CAE) e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e do Conselho Municipal de Educação, assistentes sociais, secretários municipais, entre outros atores. “Através da passeata conseguimos muitas parcerias e fizemos com que o Plano ficasse conhecido no município”, apontou Maria Aparecida.

Apresentação do PMSE na Câmara de Vereadores 

Integrante do Comitê apresenta o PMSE na Câmara
de Vereadores
Com o objetivo de conquistar o apoio dos vereadores às ações de mobilização, os membros do Comitê apresentaram o PMSE na Câmara de Vereadores, durante sessão solene no Dia Internacional da Mulher (8 de março). Organizada pela secretária municipal de Educação, Maria Lucilene Medeiros, em parceria com a mobilizadora Maria Aparecida Virgino, a atividade visou, ainda, dar início à elaboração de Projeto de Lei para criação do Dia Municipal de Mobilização Social pela Educação em Nova Olinda. Professores, pais, alunos, funcionários de escolas e líderes religiosos estiveram presentes na atividade.

Acesse aqui o Plano de Ação do Comitê de Nova Olinda e saiba mais sobre as estratégias, metas e atividades propostas pelo grupo.

Confira abaixo a composição do Comitê de Mobilização Social pela Educação de Nova Olinda (PB):

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Prêmio Professores do Brasil: experiência pedagógica deve ser inscrita até 15 de setembro

Professores da educação básica pública, comunitária, filantrópica e confessional que desenvolveram projetos pedagógicos, em suas escolas, desde o ano passado até maio último, podem concorrer ao Prêmio Professores do Brasil. O prazo para a inscrição vai até 15 de setembro próximo. Até sexta-feira, 29 de agosto, a Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação tinha registrado 3.392 inscrições.

A oitava edição do prêmio vai selecionar 40 experiências, oito por região do país. Os trabalhos, segundo o regulamento, concorrem nas categorias temas livres (educação infantil, anos iniciais do ensino fundamental, anos finais do ensino fundamental e ensino médio) e temas específicos (educação integral, ciências para os anos iniciais do ensino fundamental, alfabetização nos anos iniciais do ensino fundamental e educação digital articulada ao desenvolvimento do currículo). Cada professor pode concorrer com um trabalho.

O docente selecionado, independentemente da categoria, receberá R$ 6 mil, troféu e certificado. Os primeiros colocados nas quatro subcategorias de temas livres e nas quatro de temas específicos — ao todo, oito experiências —, receberão adicional de R$ 5 mil. Os vencedores do prêmio extra serão conhecidos durante cerimônia em Brasília, em dezembro próximo.

Além do dinheiro, os premiados terão as passagens custeadas pelo MEC para a viagem a Brasília, hospedagem e alimentação. Poderão também participar dos programas Sala do Professor e Salto para o Futuro, da TV Escola. As experiências serão publicadas na rede social do prêmio e seus autores, convidados a produzir vídeo, de até três minutos, sobre o projeto. As escolas em que os profissionais lecionam receberão placa comemorativa da oitava edição.

Inscrição — A inscrição tem duas etapas. Na primeira, o candidato preenche formulário eletrônico, disponível na página do prêmio na internet, e o envia também pela internet. Na segunda, o professor relata a experiência, também em formulário eletrônico, imprime duas cópias e posta nos Correios. É necessário anexar cópias de documento de identidade e do CPF, além de declaração da escola que comprove o vínculo do professor com a unidade de ensino. Os documentos impressos devem ser encaminhados para o endereço constante no regulamento do prêmio.

Mais informações e o regulamento podem ser conferidos na página do Prêmio Professores do Brasil na internet.

Com informações do Portal do MEC

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Educadores integram Comitê de Mobilização Social pela Educação em Santo André (SP)

Participantes da Oficina de Formação de Mobilizadores
em Santo André (SP)
Em Santo André (SP), profissionais de escolas e creches públicas, conselheiros escolares, representantes da Secretaria Municipal de Educação, entre outros, estão entre os integrantes do Comitê de Mobilização Social pela Educação que vai atuar na cidade. Criado com o objetivo de fortalecer a interação entre familiares, educadores e comunidade, o grupo foi instalado durante a Oficina de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação realizada no município nos dias 30 e 31 de maio.

Divididos em grupos, os mobilizadores discutiram como
trabalhar a mensagem da cartilha Acompanhem a vida
escolar dos seus filhos
com a comunidade
Durante a Oficina de Formação, conduzida pela representante do Plano de Mobilização Social pela Educação no Ministério da Educação (PMSE/MEC), Doris Cardoso Prudente Bertolino, os membros do Comitê e outros participantes conheceram as metas e estratégias do PMSE, bem como exemplos de sua implementação em diversas localidades. Foram fornecidas também orientações para a atuação do Comitê e sugestões de atividades de incentivo à interação família-escola.

Como públicos prioritários para as ações de mobilização, foram apontados, no evento de capacitação, os beneficiários do programa Bolsa Família, a população atendida pela Promotoria da Infância e Juventude e pelo Conselho Tutelar, e os analfabetos. Ressaltou-se, ainda, a importância de trabalhar com as instituições de ensino que apresentam baixo desempenho no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). 

Membros do Comitê de Mobilização de Santo André (SP)
Além dos educadores, a representante do PMSE/MEC, Doris Cardoso, destacou a necessidade de buscar parcerias com outros setores da sociedade. “No decorrer da oficina, orientamos a busca da parceria de outros segmentos da sociedade como os diversos grupos religiosos, juízes, promotores da infância, conselho tutelar, comércio, indústria, ONGs, Fundações, Institutos, sindicatos, lideranças comunitárias, entre outros”, informou Doris. 

Confira abaixo a composição do Comitê de Mobilização Social pela Educação de Santo André (SP):

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Conselheiros escolares farão curso sobre gestão democrática

Nos dias 1º de setembro e 1º de outubro próximos, 10 mil integrantes de conselhos escolares das redes públicas de educação básica de 17 estados e do Distrito Federal começam a participar de curso de formação previsto no Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares. Cada conselho é constituído pelo diretor da escola e representações de professores, estudantes, pais, funcionários e comunidade. A formação aborda a gestão democrática da escola, funções e responsabilidades dos conselheiros.

O curso, de 40 horas, tem 28 horas em ambiente virtual de aprendizagem e outras 12 divididas em três encontros presenciais, no município-sede das escolas participantes. Ao todo, são dois meses de estudos. Hoje, segundo dados da Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação, 23,8 mil conselheiros estão em formação ou já concluíram o curso em 18 das 27 unidades federativas.

De acordo com José Roberto Júnior, coordenador da atividade na SEB, o programa desenvolve duas ações. Na primeira, a formação de técnicos das secretarias estaduais e municipais de Educação é feita a distância, por uma universidade federal. O profissional é preparado para exercer atividades de tutor e articulador no processo de formação de conselheiros. A segunda ação é a qualificação dos conselheiros das escolas públicas. Realizado pelos parceiros do programa, sob a coordenação da SEB, o curso combina estudos em ambientes virtual e presencial.

Nos dois casos, é usado material de apoio desenvolvido pelo Ministério da Educação especialmente para essa finalidade. Este ano, segundo Roberto Júnior, 12 instituições de educação superior são parceiras do programa.

Para compreender a dimensão político-pedagógica do conselho escolar e o exercício das funções deliberativa, consultiva e fiscal, os integrantes do conselho precisam de formação, preparo e conhecimento das particularidades da administração escolar. É a isso que o curso se propõe, de acordo com Roberto Júnior.

Coordenações — As 18 coordenações estaduais do programa estão presentes nas cinco regiões do país. A coordenação estadual é responsável pela seleção dos tutores e coordenadores municipais, pelo planejamento da distribuição de vagas e pelos critérios de seleção dos cursistas. Cada coordenação trabalha em conjunto com uma universidade pública.

Na região Norte, já criaram coordenações os estados do Acre e de Tocantins. No Nordeste, Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe. No Sudeste, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. No Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. No Centro-Oeste, o Distrito Federal;

O desafio dos parceiros do programa até o final de 2015 é constituir as coordenações em mais nove estados de três regiões e ampliar a oferta de cursos. No Norte, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima. No Nordeste, o Maranhão. No Centro-Oeste, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás.

Universidades — O  Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares conta com a parceria das universidades federais do Rio Grande do Norte (UFRN), do Ceará (UFC), de São Carlos (UFSCar), de Santa Catarina (UFSC), Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), do Espírito Santo (UFES), de Uberlândia (UFU), da Bahia (UFBA), do Piauí (UFPI), de Pernambuco (UFPE), Fluminense (UFF) e da Universidade de Brasília (UnB).

A parceria abrange também organismos nacionais e internacionais, como o Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed), a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

A constituição e o funcionamento dos conselhos escolares estão previstos na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) [Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996], agora reafirmados no novo Plano Nacional de Educação (PNE) [Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014].

Por Ionice Lorenzoni - Portal do MEC

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Voluntários de Campo Formoso (BA) incentivam interação família-escola-comunidade

Importância da nteração família-escola foi um dos temas
abordados no evento no Colégio Augusto Galvão,
em Campo Formoso
No município baiano de Campo Formoso, mobilizadores do Grupo de Ação Ideal Voluntário (Gaiv), mantido pela Intercement – empresa do grupo Camargo Corrêa –, têm se empenhado para promover ações que incentivem a interação entre educadores, alunos, familiares e comunidade. Exemplo desse trabalho pôde ser conferido no dia 6 de junho, quando o Auditório Anísio Teixeira, do Colégio Presbiterariano Augusto Galvão, sediou atividade com o objetivo de combater a evasão escolar e estimular o envolvimento de pais e mães no cotidiano estudantil.

Com palestras sobre os temas “Metas – por que devo traçar um plano pro futuro, ter objetivos e nunca desistir até conseguir concluir” e “A importância da participação dos pais na vida escolar dos filhos”, a ação reuniu estudantes, professores, funcionários e a direção do Colégio Augusto Galvão. Além dos mobilizadores do Gaiv, o encontro foi organizado com o apoio da Igreja Batista e das empresas Ferbasa, de mineração e metalurgia; TGB, de logística industrial; e da Nutri Refeições Coletivas, que forneceu lanche para o evento.

Segundo a voluntária do Gaiv, Elenita Delmira Monteiro, já podem ser vistos resultados da atividade. “Há maior interesse por parte dos alunos quanto à participação dos pais na escola. Estou muito otimista quanto a realização de novos eventos”, afirmou.

Com informações de Elenita Delmira Monteiro, mobilizadora social pela Educação em Campo Formoso (BA).